Blog

CURSO DIMENSIONAMENTO DE PASSARELAS METÁLICAS

O curso dimensionamento de passarelas metálicas traz aos alunos uma prática de dimensionamento aplicado em escritórios de projetos, visando o aperfeiçoamento técnico.

CONTINUE LENDO
ELEMENTOS COMPRIMIDOS DE AÇO #0051

Dimensionar uma coluna não se trata apenas de pegar as ações em uma área de influência, transformar em um esforço axial, dividir pela área da seção transversal do elemento, e comparar com uma tensão de escoamento.

CONTINUE LENDO
Cálculo rápido de vigas de aço #0049

É possível estimar um perfil sem que faça todos os processos de cálculo normativo, apenas com critérios de pré-dimensionamentos.

CONTINUE LENDO
ABERTURA EM ALMAS DE VIGAS METÁLICAS – LIMITES #0018

A NBR 8800:2008 em seu anexo I admite a execução de aberturas concêntricas e excêntricas sem reforços nas almas com algumas restrições.

CONTINUE LENDO
TREM TIPO RODOVIÁRIO #0014

Para os que não sabem ou não lembram, trem-tipo é o conjunto do carregamento móvel a ser aplicado à estrutura em sua posição mais desfavorável, para cada seção de cálculo e combinação de carregamento. Os trens tipos compõem-se de compressores, caminhões e multidão.

CONTINUE LENDO
O MELHOR JEITO DE VOCÊ PRÉ-DIMENSIONAR UM PERFIL W #0007

Adotada a concepção estrutural em aço, na fase de projeto preliminar se torna necessário um pré-dimensionamento dos perfis, etapa que precede a análise de dimensionamento estrutural.

CONTINUE LENDO
Pilar de concreto ou Pilar de aço? #0055

O mesmo pilar, em mesmas condições de esforços, para duas soluções diferentes.

Neste vídeo faço uma análise de consumo de materiais para um pilar metálico e de concreto armado.

CONTINUE LENDO
Escadas Metálicas – Considerações para dimensionamento #0054

Hoje vou esclarecer algumas questões técnicas sobre escadas metálicas com o Eng. Fávio Bitelli.

CONTINUE LENDO
ENRIJECEDORES EM POSTES METÁLICOS #0053

Hoje nosso vídeo fala sobre enrijecimento de bases de postes metálicos. Estava andando pelo centro de São Paulo (antes da quarentena) e vi esse poste que estava bastante deformado. Veja que na foto da base se percebe uma plastificação, uma grande deformação da base, mas os chumbadores permaneceram íntegros. A deformação na placa de base, […]

CONTINUE LENDO
VIGA DE CONCRETO ARMADO x VIGA MISTA #0052

Estou aqui hoje para fazer um comparativo entre uma viga de concreto armado e uma viga metálica mista, em uma mesma estrutura. Antes disso vamos comparar o mercado da construção metálica entre os EUA, Reino Unido e o Brasil, usando estruturas multipavimentos mistos de concreto e aço, normalmente usando vigas e colunas metálicas e a […]

CONTINUE LENDO
VIGA MISTA COMPACTA #0050

A viga mista fletida usa o concreto submetido à tensões longitudinais de compressão e a viga de aço submetida à tração. Geralmente, não é uma regra, a linha neutra plástica LNP cai sobre o concreto armado.

CONTINUE LENDO
Trens Tipo – Carregamentos em Pontes e Viadutos #0048

Carregamento em pontes, viadutos, tudo que envolve carregamento e ação de tráfego de veículos sobre uma estrutura (obras de arte especiais). Trem tipo TB-45 (Classe 450) ou TB-24 (Classe 240) da NBR 7188/13. Esse é o tema deste vídeo:

CONTINUE LENDO
COMO FUNCIONA O CONCRETO PROTENDIDO? #0047

Por que eu protendo é a pergunta sobre a qual me posicionei, respondendo e explicando em um vídeo dinâmico, com uma análise MEF comparativa de tensões e deformações.

CONTINUE LENDO
VIGA MISTA PROTENDIDA #0046

Assim como as vigas de concreto protendido, as vigas mistas também podem ser protendidas.

A distribuição de tensões, devida a posição dos cabos, é similar à de concreto protendido.

CONTINUE LENDO
TENSÕES EM LIGAÇÕES PARAFUSADAS #0045

Existem diferentes graus de rigidezes em ligações parafusadas de vigas metálicas que podem ser feitas apenas pela alma, ou conectar alma e mesas.

CONTINUE LENDO
VIGAS DE ALMA ABERTA – CONSIDERAÇÕES #0044

A necessidade de aberturas em almas de vigas se deve para que sejam instaladas tubulações de abastecimento de água, esgoto, combate a incêndio, dutos de ar condicionado geralmente de grandes diâmetros, eletrodutos, entre outros.

CONTINUE LENDO
PILAR DE CONCRETO x PILAR DE AÇO #0043

Você sabe o quão mais leve um pilar de aço pode ser em relação a um pilar de concreto armado.

Com as mesmas condições de contorno e carregamentos eu fiz essa simulação.

CONTINUE LENDO
VIGA DE AÇO OU VIGA DE CONCRETO? #0042

Uma viga de aço é bem mais leve do que uma viga de concreto armado. Será que você sabe o quanto?

CONTINUE LENDO
LAJE EM GRELHA DE CONCRETO ARMADO #0040

O engenheiro deve ter a capacidade de entender o comportamento estrutural das obras que ele se depara, principalmente em obras de infraestrutura que possuem geometrias e características especiais.

CONTINUE LENDO
DILATAÇÃO TÉRMICA EM PONTES E VIADUTOS # 0039

Em pontes e viadutos é necessário prever juntas de dilatação, bem como aparelhos de apoio com baixa rigidez à movimentação desta estrutura.

Isso não ocorrendo, haverá a criação de tensões indesejadas na superestrutura e na mesoestrutura (colunas).

CONTINUE LENDO
TRELIÇA ESPACIAL #0038

A treliça espacial é uma bela concepção estrutural para coberturas de grandes vãos. Entretanto suas ligações exigem cuidados.

CONTINUE LENDO
ENRIJECEDORES EM BASES DE POSTES TUBULARES #0037

Os enrijecedores em bases de postes são fundamentais para aumentar a rigidez da ligação do tubo com a chapa.

CONTINUE LENDO
RESISTÊNCIA DO AÇO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO #0036

Os caminhos que devem ser seguidos para a verificação de uma estrutura metálica em situação de incêndio.

CONTINUE LENDO
E SE EU COLOCAR MUITO AÇO? #0035

E se eu colocar muito aço no concreto armado? Isto não é tão conservador quanto imagina…

CONTINUE LENDO
CURSO COMPLETO CONCRETO PROTENDIDO – DIMENSIONAMENTO

O objetivo deste curso é trazer à luz um assunto pouco discutido entre os engenheiros civis: o Concreto Protendido.

CONTINUE LENDO
MÓDULO ELÁSTICO E MÓDULO PLÁSTICO DE UM PERFIL #0034

O módulo de resistência é um parâmetro geométrico que indica quão resistente a seção transversal é à flexão.

CONTINUE LENDO
ESTRUTURAS DE AÇO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO #0033

Preceitos básicos sobre estruturas metálicas em situação de incêndio.

CONTINUE LENDO
OUSADIA COM GEOMETRIA #0032

Uma casa em aço, com uma arquitetura arrojada. Um projeto que quebra muitos paradigmas.

CONTINUE LENDO
EMENDAS DE COLUNAS #0031

Emenda em colunas por talas ocorrem com frequência. Estas ligações geralmente são feitas por parafusos protendidos não submetidos à cisalhamento.

CONTINUE LENDO
PERFIS SOLDADOS SEGUNDO NBR5884 #0030

PERFIS SOLDADOS SEGUNDO NBR5884 Os perfis soldados são produtos fabricados por meio de chapas de aço, moldadas com formatos diferentes. Para que consigam obter esses formatos, os perfis soldados devem passar por um procedimento, que é a soldagem. Existem muitas técnicas que podem ser utilizadas para soldar os perfis. Sua vantagem em relação aos perfis laminados é […]

CONTINUE LENDO
PERFIL W SUBMETIDO À COMPRESSÃO AXIAL #0029

Para determinar a capacidade resistente, de um perfil W comprimido axialmente, é necessário entender que ele pode sofrer flambagens locais e globais.

CONTINUE LENDO
O VENTO E AS EDIFICAÇÕES #0027

O vento é uma ação importante em elementos de aço, devida a grande esbeltez dos elementos e potencial capacidade de deformações globais.

CONTINUE LENDO
MURO DE FLEXÃO #0026

Os muros de flexão são utilizados com razoável economia até altura da ordem de 6 m. Para aumentar sua rigidez podem ser introduzidos contrafortes quando as solicitações são elevadas. Geralmente são aplicados em aterros ou reaterros, pois necessitam de peso extra. O muro de flexão conta com uma laje de fundo e outra vertical.  São […]

CONTINUE LENDO
REFORÇOS ATIVOS DE PROTENSÃO EXTERNA EM PONTES #0025

Reforços ativos de protensão externa em pontes. Uma solução de boa viabilidade técnica.

CONTINUE LENDO
FILOSOFIA DE DIMENSIONAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE AÇO #0024

Dimensionamento por Estados Limites de Serviço. Uma consideração probabilística.

CONTINUE LENDO
MESA COLABORANTE EM TABULEIROS PRÉ-MOLDADOS #0023

Na prática, com uso de planilhas e softwares fazemos a análises de diversas etapas de construção de uma obra de vigas protendidas, tais como: viga em execução, viga lançada, viga lançada com todos elementos permanentes e estrutura em operação.

CONTINUE LENDO
HÁ MUITO A EVOLUIR #0022

A carência técnica em estruturas de aço dos alunos de engenharia civil de hoje, será um entrave para o crescimento do setor amanhã.

CONTINUE LENDO
CURSO BÁSICO GRÁTIS CONCRETO PROTENDIDO #0020

Abordar os princípios envolvidos em uma viga protendida, e como dimensionar os aços ativos protendidos são os objetivos deste curso.

CONTINUE LENDO
CONCRETO PROTENDIDO PRÉ-TRACIONADO #0017

De acordo com o item 3.1.7 da NBR 6118, concreto protendido pré-tracionado é quando o pré-alongamento da armadura ativa é feito utilizando-se de apoios independentes do elemento estrutural, antes do lançamento de concreto. Bancadas de protensão que não pertencem a peça servem para aplicar tensão nas cordoalhas antes da concretagem.

Após o endurecimento do concreto a ancoragem nas bancadas é desfeita, e por aderência das cordoalhas com o concreto a tensão de compressão se distribui ao longo do elemento.

CONTINUE LENDO
QUANDO CONSTRUIR EM AÇO #0016

Casos particulares não podem ser usados como regras. Cuidado com estudos isolados de custos e listas simplificadas de vantagens.

Primeiramente a escolha do sistema construtivo não deve ser uma competição. Então podemos começar trocando a pergunta para “que tipo de estrutura é o mais adequado para o caso?”

CONTINUE LENDO
MODELAGEM DE PROJETO DE UM VIADUTO #0015

Vou descrever algumas dificuldades técnicas, que surgem em um projeto de viaduto de dois vãos de vigas pré-moldadas protendidas. 

CONTINUE LENDO
UM EXEMPLO DE PERFORMANCE TECNOLÓGICA EM AÇO #0013

Sabe aquela música que você ouve e pensa “eu poderia ter escrito essa letra”?

Pois é, este é um projeto que você diz “eu queria ter projetado/executado”!

CONTINUE LENDO
CONCRETO PROTENDIDO COM CORDOALHAS DE AÇO #0012

A palavra protensão ou pré-tensão (presstressing em inglês), expressa a ideia de um estado prévio de tensões em alguma coisa.

Sua vantagem é facilmente observada ao comprimirmos, com as duas mãos, um conjunto de livros e levantarmos sem que eles caiam.

CONTINUE LENDO
ESTACAS METÁLICAS #0011

Há mais de 120 anos, em todo mundo, são utilizadas estacas de aço. Tudo começou quando um belo dia alguém decidiu usar trilhos desgastados como estacas cravadas.

CONTINUE LENDO
OS DESAFIOS DA ENGENHARIA DE PROJETOS #0010

Que voltemos a ter mais oportunidades de sermos desafiados com problemas técnicos sem precedentes!

Existe muita capacidade técnica ociosa no Brasil nesse momento, como engenheiros somos capazes. É nisto que acredito!

CONTINUE LENDO
LENDO E ENTENDENDO UMA TABELA DE PERFIS DE AÇOS ESTRUTURAIS #0009

Você entende as propriedades geométricas das tabelas de perfis, além das espessuras de mesa, alma, aba? Pode ser bastante útil saber todas as informações que constam nas tabelas.

CONTINUE LENDO
EFEITOS DE SEGUNDA ORDEM EM ESTRUTURAS DE AÇO #0008

Você sabe o que são efeitos de 2ª ordem em uma estrutura?

Os efeitos de primeira ordem são aqueles obtidos com o cálculo feito com a estrutura considerada indeformada.

Sob a ação das cargas verticais e horizontais, os nós da estrutura deslocam-se horizontalmente.

Os esforços de segunda ordem decorrentes desses deslocamentos são chamados efeitos globais de 2ª ordem. Nas barras da estrutura, os respectivos eixos não se mantêm retilíneos, surgindo aí efeitos locais de 2ª ordem que, em princípio, afetam principalmente os esforços solicitantes ao longo delas.

CONTINUE LENDO
PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE PERFIS LAMINADOS #0006

A opção de se utilizar estruturas metálicas apresenta várias vantagens em relação ao concreto armado, protendido ou pré-moldado, por gerar estruturas esbeltas e leves com possibilidade de vencimento de grandes vãos para diversos fins.

Uma vez adotada a concepção estrutural em aço, na fase de projeto preliminar se torna necessário um pré-dimensionamento dos perfis, etapa que precede a análise de dimensionamento estrutural.

CONTINUE LENDO
CARGA NA PONTA DA CANTONEIRA. E AGORA??? #0005

Pouco dias atrás um aluno me fez uma pergunta interessante:

Como dimensionar uma cantoneira de abas iguais com uma carga pontual aplicada horizontalmente em uma das abas?

CONTINUE LENDO
NÃO DEIXE AS NERVURAS TE DAREM NOS NERVOS #0004

Vigas soldadas muito altas podem ultrapassar o limite de esbeltez e passam a ser consideradas vigas esbeltas.

De acordo com os critérios descritos na norma NBR 8800:2008, no item 5.4.3.1.3, uma viga esbelta deve obrigatoriamente ter suas almas enrijecidas com nervuras, quando o esforço cisalhante de cálculo for maior que o esforço cisalhante resistente, ou seja, Vsd>VRd.

CONTINUE LENDO
GALPÃO SIMPLES #0003

Galpôes simples são construções, geralmente de um pavimento, que tem por finalidade cobrir grandes áreas destinadas a diversos fins.

Existem algumas concepções estruturais para galpões, a mais comum é composta de duas colunas e tesoura de duas águas formam o pórtico da estrutura.

CONTINUE LENDO
HISTÓRICO DO AÇO #0002

O aço tem seus outros componentes além do ferro e o carbono, como o manganês, fósforo, etc..

O tal do ferro surge na história por volta de 3000 a.c. Ele primeiramente aparece na figura de enfeites e ornamentos pessoais.

Posteriormente com a fundição surge a Idade do Ferro em 1200 a.c, e o ferro é amplamente usado e desenvolvido para produção de armas.

Talvez seja este o único legado positivo das guerras, o avanço tecnológico.

CONTINUE LENDO
PROPRIEDADES GERAIS DO AÇO #0001

O aço possui propriedades mecânicas únicas para uso estrutural.

A norma que regulamenta o aço estrutural, suas características mecânicas e de dimensionamento é a ABNT NBR 8800:2008 Projeto de Estruturas de Aço e de Estruturas Mistas de Aço e Concreto de Edifícios.

O aço é um material dúctil.  Isso quer dizer que ele pode ser submetido à grandes deformações antes da ruptura.

CONTINUE LENDO

Copyright © 2020 Engenheiro do Aço. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido e Hospedado por Agility Soluções Web.